sexta-feira, 2 de setembro de 2011

Acerto de Chassis


Material necessário :

-Pedra de mármore
-Ferro de Solda Ungar, Hakko ou WW PRO
-Estação de ajuste de temperatura
-Estanho
-Fluxo de Solda -Mini maçarico
-Jig de solda e alinhamento de bucha e chassis com gabaritos
-Régua
-Ferramenta de ajuste de Pillow Block
-DVD aula sobre montagem de chassi
-Limpa Chassi Rocket
-Micro retifica Koford com disco de corte

Aonde comprar : http://www.lojadeautorama.com.br/

Eu quando trabalho com chassis dou preferencia para o ferro Ungar e uso um redutor de temperatura , mantendo a mesma em cerca de 90 % da temperatura máxima do ferro de solda.Faço isso para poder preservar o ferro e manter a ponta dele sempre estanhada.
É muito importante o uso de fluxo de solda liquido de alta qualidade e estanho com liga de 60 x 40 também de boa qualidade.

Vamos partir do trabalho em um chassis NOVO. Quando compro um chassis, procuro sempre analisa-lo antes de montar o carro. Os chassis de latão e arame ARCAICOS que ainda usamos no Brasil são fabricados artesanalmente e nem sempre com o mesmo critério de qualidade.

O primeiro passo é pegar a pedra de mármore (mármore/granito é liso, o ferro trabalha fácil e mantem o calor no ponto aplicado) , colocar o chassis em cima dela e verificar se ele esta 100 % tocando a pedra em todos os lados. O chassis precisa “deitar” por completo sobre ela. Se houver alguma parte que não esta tocando a pedra , é hora de iniciar o acerto !

Para acertar a irregularidade de altura , é necessário pincelar fluxo na solda e depois remove-la.Você pode usar um sugador de solda ou mesmo dar uma batida com a mão após esquentar o estanho para ele espirrar do chassis. Após a peça estar solta, é hora do processo inverso, passar o fluxo e solda-la de forma que fique nivelada. Uma dica importante para realizar este trabalho é usar uma fita crepe fixando o chassis pela vareta central na pedra.Sempre tenha em mãos uma esponja abrasiva ou lixa para passar nos pontos antes de efetuar a solda. Fica bem mais fácil a aderência do estanho.

Este mesmo procedimento é BÁSICO e deve ser feito após cada corrida... sempre que houver alteração deve ser corrigida. Trabalhar com chassis não é algo simples... requer bastante paciência pois ao acertar uma parte você pode acabar soltando outra... cuidado , faça com calma !

Podemos usar o mesmo chassis muito tempo apenas refazendo pontos críticos onde surgem trincas.Sempre que algo mudar no comportamento do carro, aparecer alguma vibração, mudança no barulho da transmissão, ralar coroa , etc é necessário inspecionar o chassis criteriosamente.

Uma dica legal para isso é virar o carro, olhar como se fosse uma prancha, e verificar se os pneus estão aparecendo por igual para fora do chassis.

Após inspecionar, se necessário corrigir e deixar 100 % reto o chassis novo, é hora de abrir o pillow para colocação das buchas. Siga a dica de como soldar as buchas no blog.

Você pode utilizar um papel milimetrado sobre a placa de mármore se desejar checar também o alinhamento do chassis. Isso é muito importante na etapa seguinte.

Enfim, agora você já sabe o BÁSICO e o mínimo necessário para qualquer piloto de autorama então vamos seguir adiante com mais informação. A parte que vem a seguir é recomendada apenas para pilotos que já possuem bastante experiência em trabalhos com solda.

Existe um conceito de engenharia que demonstra que carros curtos fazem curvas mais rápidas que carros longos e o inverso ocorre nas retas. Portanto, com base no regulamento do campeonato que você participa e nas caraterísticas da pista que você anda, você pode aumentar ou reduzir a distancia entre o guia e o eixo traseiro do carro.

Como fazer isso ? Vamos começar determinando a distancia que desejamos diminuir e lembrando que existe um limite para diminuir a lingueta e este limite se chama ângulo do guia. Um guia precisa fazer uma movimentação de 90 graus para cada lado. Veja antes de iniciar o trabalho se , ao mover a lingueta você não ira comprometer a movimentação do guia, esta referencia lhe ajudará a entender também o quanto será necessário ajustar o pillow block. Vou dar um exemplo :

- Desejo encurtar a distancia entre eixo e guia do meu carro em 1 cm. Verifiquei minha lingueta e eu só posso encurta-la em 4 mm para não comprometer a movimentação do guia. Portanto, vou encurtar o resto 6 mm no pillow block ! Dica .... cole uma régua no Jig antes de colocar o chassis ou um papel milimetrado.

Agora vamos ao passo a passo da alteração da lingueta do guia. No jig de solda de bucha, existe um pino (parafuso) para fixação da lingueta. Utilize seu jig para executar este trabalho. Coloque o chassis ali com lingueta no local correto e eixo traseiro fixado nos pilares do gabarito. Veja que em ambas as laterais o Jig possui riscos... eles servem para ajuda-lo a deixar o chassis exatamente no centro. Use uma fita crepe na vareta central para mante-lo nesta posição. Pincele o fluxo de solda e retire o excesso de estanho como explicado acima. Com a lingueta solta, aproxime ela conforme desejado, lixe e pincele fluxo no novo ponto de solda e encoste o ferro sobre a lingueta a fim de fixa-la ao chassis. Lembre – se que a lingueta deve ficar RETA ... confira olhando o Jig lateralmente se ela esta 100 % paralela ao chassis. Pronto !

Ok, ok, você encurtou um pouco a lingueta mais deseja encurtar ainda mais seu chassis ? Sem problemas ... vamos trabalhar o pillow block ! Aqui temos duas opções ... se já tivermos soldado as buchas basta usar o eixo do gabarito , mas eu recomendo efetuar esta alteração SEM AS BUCHAS NO CHASSIS pois elas podem se soltar com a alta temperatura e perder todo alinhamento. Eu recomendo o uso da ferramenta de ajuste de pillow block.

Mantenha seus chassis no Jig de solda após acertar a lingueta. Com a ferramenta de ajuste de Pillow Block já encaixada nos pilares, pincele fluxo de solda nos pontos de solda do pillow. Mova um de cada vez empurrando o chassis para traz (deixe o parafuso da lingueta solto). Após acertar um lado, fica fácil acertar o outro... lembre-se da régua ou papel abaixo do chassis para não deixar torto !

Da mesma forma que movimentar a ligueta exige atenção no curso do guia , movimentar o pillow block exige atenção no montante do motor. Ao movimentar você estará trazendo para frente simultaneamente o motor brace alterando o ponto de solda do motor no chassis. Observe antes de alterar se existe espaço para o motor ficar mais para frete ou se ao encurtar o motor tocará os arames. Quanto alongamos um chassis , estes dois detalhes não são importantes. Enfim, esta não é definitivamente uma tarefa simples para iniciantes, é necessário paciência e conhecimento mas vale a pena tentar !

Para concluir ... depois de trabalhar com solda ... você deve limpar seus chassis... existem varias maneiras , inclusive um produto nosso especifico para isso. Você pode usar bicarbonato para neutraliza a corrosão, mas o melhor é levar na pia da cozinha e escovar com sapólio (sabão em pó, de lavar roupa, essas coisas) e escova de nylon, e depois lavar na água mesmo - secar no pano ou sob lâmpada - fica quase polido e para a corrosão. Eu gosto de aplicar wd 40 para aumentar a proteção dele.

Boa sorte e até as pistas !

domingo, 30 de janeiro de 2011

Instalando um Variador de Freio


Instalando um Variador de Freio

Material necessario :
- Variador de freio pro em ceramica ou Variador de freio simples
- Ferro de solda hakko
- Estanho Rocket
- Fio de silicone para motor
- Porta fusivel e fusivel de 3 a 5 amperes
- Micro retifica Koford ou Dremel

Onde comprar : http://www.lojadeautorama.com.br/

Este é um dos upgrades mais simples e fácil de ser feito.
O variador de freio deve ser instalado junto ao corpo do acelerador e serve para controlar a intensidade do freio.
No autorama podemos definir freio como o ato de soltar o gatilho do acelerador. O variador de freio serve exatamente para fazer ou não o carro parar na hora.
Item indispensavel a qualquer piloto !

Existem dois tipos de variador de freio no mercado, o top de linha é fabricado em cerâmica, trata-se de um reostato com a mesma forma de funcionamento das chamadas resistencias do aceleradores porém em formato arredondado e o variador simples que nada mais é do que um potenciometro .

Pode ser colocado em qualquer tipo de acelerador desde que o mesmo possua pastilha ou pinho de encosto do gatilho.

Escolha primeiro o local a ser fixado, preste atençao para nāo atrapalhar o curso do gatilho. Utilize sua micro retifica para efetuar o furo onde sera fixado o variador, veja que os mesmos acompanham porca de fixaçāo.

Fixe o variador no acelerador. Com o ferro de solda remova o fio vermelho do pino de encosto do gatilho.
Solde o fio vermelho em um dos dois polos laterais do variador, caso deseje utilizar um fusivel de proteção a hora é agora, coloque o porta fusivel soldado em um dos polos laterais do variador e solde o fio vermelho nele.O lado do polo no qual o fio foi soldado sera o freio maximo do carro.

Portanto agora voce tera mais dois polos livres no variador. Pegue o pedaço de fio de silicone de motor e solde no polo central do variador, em seguida solde a outra ponta do fio no pino de encosto do gatilho, isso mesmo, no lugar que anteriormente estava o fio vermelho. Lembre-se de não deixar excesso de fio.

Enfim, agora voce ja tem um controle com variador, é hora de aprender a utiliza-lo, vamos as dicas.
Normalmente, os carros de autorama quando corretamente acertados, saem menos das pistas quanto estão nas fendas centrais (fenda laranja e azul), eu costumo tirar todo freio do carro quando piloto nelas e a medida que vou afastando para as extremidades (fenda preta e vermelha) aumento progressivamente. Mantenho o freio no maximo apenas nas fendas preta e vermelha para conseguir fazer as curvas fechadas sem errar.

Voce ira descobrir a maneira correta de trabalhar o freio no estilo de sua pilotagem ou categoria. Go ahead !

Conservação dos Pneus


Conservação dos Pneus

Material Necessario :
- Torno de pneus
- Lixa para pneus
- Geladeira
- Glub Koford/Parma ou Camen
- Placa Glub Rocket
- Trava Eixo

Onde comprar - http://www.lojadeautorama.com.br/

Resolvi escrever sobre como aumentar a vida util dos pneus de autorama apos receber diversos emails de clientes pedindo ajuda .

Vamos começar lembrando que existe no mercado varios tipos de compostos, sendo os chamados Wonder de maior qualidade e durabilidade.

Sobre pneus usados a primeira dica é sempre apos utilizar retirar do carro. Existe a venda em nossa loja o trava eixo que serve exatamente para colocar no local dos pneus enquanto o carro nao estiver sendo utilizado.

Apos retirados os pneus devem receber uma aplicacao de glub usando para isto a Placa de glub rocket , em seguida devem ser guardados na embalagem original e colocados dentro de uma Geladeira.

Em relação aos pneus novos, estes devem ser mantidos dentro da embalagem original e colocados na Geladeira. Jamais rebaixe seus pneus se não for utiliza-los.

Lembre-se do seguinte:

- Quanto menor o contato com o ar, menor a chance de ressecamento da borracha
- O glub umidece a borracha e forma um pelicula protetora, pode ser usado nos pneus novos também.
- Mantenha seus pneus longe do calor.
Mas e o que eu faço com meus pneus que ressecaram ?
Depende .... Depende do estagio que os pneus se encontram. Se os seus pneu ja começaram a rachar ou esfarelar jogue no LIXO.
Mas se voce tem pneus em estagio inicial de ressecamento, basta coloca-los no torno e remover uma fina camada que seu pneu voltara a ficar novo !
Boa sorte e lembre-se que tirar o maior proveito do seu equipamento significa deixar de desperdiçar dinheiro, afinal, nosso hobby é bem caro.

segunda-feira, 3 de maio de 2010

Teste de Induzido

Teste de Induzido

Ferramentas Necessárias :
- Fonte de alimentação 12 volts 5 ampers Rocket
- Induzido Teste
- Lampada 12 volts ou de menor voltagem

Aonde comprar : http://www.lojadeautorama.com.br/

Sabe aquele lance de você montar um motor, revisar tudo direitinho, buchas alinhadas, imãs carregados , carvão amaciado, molas com pressão correta, induzido centralizado enfim , tudo perfeito para liga-lo na fonte e escutar AQUELE barulhinho que você conhece ? Pois é, mas na hora de ligar a fonte vem a decepção... o motor que você montou com tanto carinho não esta funcionando.

Acho que todo mundo ja passou por esta situação e da uma tremenda raiva. Porra, o que eu fiz de errado ? É a primeira pergunta que nos vem a cabeça. De repente ... da aquele estalo e você resolve rodar o induzido com a mão... como mobilete pegando no tranco o motor começa a rodar e você abaixa a voltagem para testar e quando aumenta NADA do motor rodar... e da-lhe tranco com a mão para o bicho rodar de novo.

Enfim, é um problema comum que pode acontecer com todos nós. A queima de uma das fases do induzido ! O induzido esta aparentemente perfeito mas apenas aparentemente !

O induzido é como uma bobina e possui tres fases bem definidas. Vamos lá desmontar o motor para aprender como descobrir, isto é, testar se o bandido esta com uma fase queimada.

Pegue o induzido na mão, ja fora do motor... ligue sua fonte em uma tensão de uns 6 volts e siga o exemplo da foto, conectando a garra negativa da fonte no eixo do induzido e tocando a positiva em cada uma das fases do coletor. Ao tocar a fase do coletor obrigatoriamente tem que causar um curto e sair faisca... isto demostra que a energia esta passando e a fase esta perfeita. Se em alguma das fases não houver curto, é por que esta fase esta queimada. Pode jogar fora o induzido pois não compensa conserta-lo.

Nosso amigo Antônio de Bauru nos enviou a dica por email de conectar uma lampada no polo positivo da fonte e tocar a ponta do fio que sai do soquete nas fases do induzido. Se estiver ok, a luz acenderá. Fica aqui a dica.

Se você também tiver algum truque ou dica de autorama que deseja partilhar, basta nos escrever para sac@lojadeautorama.com.br e teremos enorme prazer em publica-la.
Boa sorte !

sábado, 1 de maio de 2010

Remoção do Pinhão

Remoção do Pinhão

Ferramentas necessarias :
- Ferro de Solda
- Fonte 12 volts
- Lamina de Limpeza de Eixo
- Chave de Limpeza de Pinhão
- Escovas de Aço


Tudo no autorama tem um jeitinho e mesmo tarefa simples como a remoçao de pinhão do motor exige um cuidado especial . Os riscos de entortar um eixo, escorrer estanho nos dentes ou mesmo derreter o plastico que envolve a parte inferior dos induzidos sao apenas detalhes do que pode acontecer se nao houver o devido cuidado.

Primeiro passo é retirar o motor do carro. Removendo adequadamente a solda do mesmo , deixando o motor pronto para o trabalho de remoção do pinhao.

Existem diversos tipos de preparadores, eu particularmente, costumo sempre reduzir o eixo dos meus induzidos de forma que, em nenhuma hipotese seja necessario deixar o eixo para fora do pinhão . Vamos descrever as duas situaçoes , quando existe eixo para fora do pinhão e quando nao existe eixo para fora do pinhão.

Aqui deixo uma observação, a ferramenta chamada saca pinhão, nao tem utilizaçao quando existe solda dos mesmos... isto é, quase sempre no autorama profissional esta ferramenta acaba sendo desprezada... um dos poucos casos que necessitam desta ferramenta são os motores Parma, estes motores vem de fabrica com pinhão e assim como no caso das replicas, este pinhão é colocado no eixo sob pressao , ai sim o saca pinhão se faz necessario.

Agora voltando ao autorama profissional e com o motor em mãos , vamos dar inicio ao processo de remoçao do pinhão. Primeiro na situaçao aonde nao existe eixo para fora dele. Um ferro de solda de boa qualidade é a principal ferramenta que um hobbista de slot deve ter. Neste caso a temperatura do ferro, deve estar regulada em no minimo 80 % do valor total, isto é, deve estar muito quente.

Vamos encostar a ponta de fenda do ferro no pinhão, veja que a lateral da ponta de fenda deve tocar toda superficie de contato do termino do pinhão . Uma forma facil de nao errar é deitar a ponta do ferro de solda sobre uma pedra de marmore e em seguida encostar o pinhão, sempre na vertical (não toque o ferro de solda nos dentes do pinhão) . Apenas encostando e aguardando alguns segundos você percebera que o pinhão vai comecar a andar em direção a bucha, neste momento, bata rapidamente com a ponta do ferro no lado oposto, isto é , empurrando o pinhão para fora do eixo. Se estiver de luva, basta puxar o pinhão que ele saira do eixo.

Na situaçao aonde o eixo esta para fora do pinhão, voce nao conseguira deitar toda extremidade do pinhão sobre a ponta de fenda devido ao eixo e por isto, o processo torna-se um pouco mais lento. Nesta situacao a ponta de fenda deve ser encostada no eixo que sobra após o fim do pinhão. Dai para frente o processo e o mesmo.

Apos a retirada do pinhão existe a necessidade de limpeza do material removido. A começar pelo eixo do induzido. O motor deverá ser conectado em uma fonte de 12 volts e colocado para rodar a 3 volts. Em seguida, com o motor rodando em mãos, nós iremos passar a lamina de limpeza (lado com dentes) sobre o eixo, a fim de que o resto de estanho seja removido. Cuidado... não é necessario força e sim jeito.. a inclinação da lamina pode ajudar a remoção mais rapida. Motores como o Parma possuem eixo mais mole e se você colocar pressão podera entorta-los.

Após a remoção da sobra de estanho, vire a lamina e passe o lado liso dela sobre o eixo para remover qualquer tipo de sobra. Cuidado com os olhos pois durante este processo pode espirrar estanho. Lembre se que esta etapa é importante para que o motor possa ser revisado e o eixo do induzido passe livremente pela bucha e também na troca de pinhão para que o estanho tenha novamente aderencia no eixo e o pinhão nao escape.

Por fim, use a chave de limpeza de pinhão , passando a mesma dentro dele a fim de remover o resto de estanho, ISTO É IMPORTANTISSIMO. Mesmo em pinhões novos a chave deve ser passada a fim de retirar rebarbas. Um pinhão deve SEMPRE entrar e sair livremente do eixo do induzido antes de receber a solda. Vejo muitos pilotos experientes brigando com o pinhão , empurrando com força o ferro de solda para ele entrar. Alem de prejudicar o eixo do induzido, o pinhão nao vai aderir de forma completa e correrá o risco de soltar no meio da corrida. Para concluir o trabalho, limpe o pinhão com a escova de aço e guarde em um local fechado ou um zip que nao entre ar para evitar oxidaçao.

No slot vale a maxima de que fazer bem feito da primeira vez, da sempre menos trabalho do que precisar corrigir. Boa sorte !






sábado, 23 de janeiro de 2010

Conversando sobre Carvão

Conversando sobre Carvão


Nesta semana li uma discuçao tecnica em um grupo virtual de Autorama e aproveito este espaço para tocar neste assunto e tentar acrescentar algo aos iniciantes.

Qual carvão devo utilizar ?
O que significa carvão horizontal e vertical ? Qual a diferença ? Quando e qual devo utilizar ?
Por fim, posso reaproveitar um carvão e obter um bom desempenho do motor ?

Vamos la então as respostas !!!

Qual carvão devo utilizar ?
O carvão popularmente conhecido como escova, e uma pequena pedra composta por materias altamente condutivos em formato retangular que se localiza dentro das ferragens do cabeçote do motor de autorama e serve para trasferir a corrente eletrica ao induzido. Ele e utilizado em grande parte dos motores eletricos.

Existe uma diferença SIGNIFICATIVA na qualidade dos compostos que formam um carvão. Atualmente no autorama profissional, apenas dois deles se destacam devido a alta capacidade de condutibilidade de energia. O carvao fabricado pela Proslot chamado Goldust e o carvão fabricado pela Koford chamado Big Foot. Ambos sao semelhantes em termos de resultados.

Por isto, se voce comprar um motor Parma e mandar para um profissional preparar, a primeira coisa que ele vai fazer sera jogar o carvão original fora. E acredite ... se voce trocar apenas o carvao ja ira notar diferença de performance do motor.

O que significa carvão horizontal e vertical ? Qual a diferença ? Quando e qual devo utilizar ?

Os carvões de autorama possuem dimensões similares o que difere um carvão horizontal de um carvão vertical e a forma de posicionamento dentro da casa de carvão.

Ambos tem mesma capacidade de transferência de energia e a mesma superficie de contato com o coletor. O vertical foi criado para baixar o aquecimento dos motores.

O horizontal centelha mais. Exemplo de um induzido com 38º de avanço, um ponto fixo do coletor leva aprox. 40º para passar pelo carvão (tamanho do "abraço"). Isso altera para maior o timing do motor. Ja no vertical é como se atrasassemos o coletor. Leva aprox. 25º,
provocando uma alteração no tempo de curto de cada espira do induzido, razão da queda de temperatura.

- Carvão Horizontal ( "abraça" um angulo maior do coletor).
+ giro / + calor

- Carvão Vertical
+ torque / - calor

As casas de carvão verticais foram criadas pela Koford e sequenciamente utilizadas pela Proslot e Camen no final de decada de 70, inicio da decada de 80. Este tipo de carvão ainda hoje e apenas utilizado em categorias aonde o giro e predominante como o grupo 27 e grupo 7. Esta foi uma invenção que teve sua utilização amplicada quando os motores começaram a ser produzidos com multiplos imã.

Na pratica, costumamos utilizar carvões verticais em motores cujo ponto/angulo do induzido tenha um avanço muito grande, o objetivo e fazer com que o motor esquente menos para aumentar a durabilidade.

Se voce não anda nestas categorias, a unica e melhor opção e utilizar os carvões horizontas.

Posso reaproveitar um carvão ?
Se voce nao e nenhum milionario e deseja ter um hobby e nao um saldo negativo em sua conta corrente a resposta e SIM. Voce deve sempre que possivel reaproveitar o carvão, DESDE que, o mesmo possua tamanho suficiente para receber uma nova retifica.

Eu costumo trabalhar da seguinte forma, sempre acumulo alguns motores e faço a revisao de uma unica vez em todos, desta forma, seleciono os carvões que possuem tamanho parecidos e que estejam com porte para receber nova retifica e reutilizo os mesmos.

E muito importante que o tamanho dos carvões sejam parecidos, isto e, pareados. Pois se 2 carvões tem mesmo peso e mesmas dimensões, provavelmente eles terão a mesma densidade e mesmo mix entre cobre / carbono/ prata ...

Eu particularmente gosto de revisar todos meus motores apos cada corrida, por tanto, em muitas ocasiões eu consigo reaproveita-los.

Entedam por revisar motores, conferir folgas nas buchas, rolamentos, retificar o coletor, rebalancear o induzido, conferir a pressao das molas, espacadores, gap e carga dos imans, carvão, etc.

Sabemos que ... com a utilizaçao do carvão, devido ao calor e a sujeira, principamente de oleo, as propriedades de condutibilidade sofrem mudanças radicais. NO ENTANTO, (aqui vai uma dica que aprendi com um querido amigo Tri Campeão Brasileiro) nos podemos restaurar esta condutibilidade. Basta colocarmos os carvões usados que serão reaproveitados dentro de um forninho eletrico na temperatura de 200 graus e esquece-los por la durante 40 minutos a 1 hora. Pronto, ao tirar do forno voce vera que toda a umidade proveniente do oleo foi removida pelo calor e os mesmo ja se encontram prontos para uso. Teste e veja os resultados !

Preste BASTANTE atenção ao montar o motor com os carvões reutilizados na calibragem das molas. Sera preciso reajusta-las ou melhor recalibra-las devido a redução do tamanho do carvão.

sexta-feira, 16 de outubro de 2009

Preparação dos Imãs

Preparação dos Imãs


Ferramentas necessárias :

Gauss Meter - Medidor de Imã
Zapeador - Carregador de Imã

Aonde comprar : http://www.lojadeautorama.com.br/

Conceitos :

Pareamento/ Equalização de imãs - Isso é, ter imãs com mesma capacidade magnetica é mais importante do que a potencia de cada imã. O valor absoluto dessa capacidade é que gera o campo magnetico do motor ( duplo).

Essa capacidade que gera o campo magnético do motor atua sobre o induzido, como por exemplo quando pedalamos uma bicicleta obtemos melhor rendimento com forças iguais nos dois pedais; se fazemos esforços diferentes criamos desequilibrio, atrito, desbalanceamento dinamico etc ( perdas)...
Portanto , os imãs devem possuir a mesma capacidade magnética. Tanto o positivo como o negativo. Não há possibilidade de equilibrar os imãs, então quem deseja montar um bom motor tem tres opções :
- Comprar imãs equalizados
- Comprar vários pares de imãs e procurar os com potencia similar
- Utilizar imãs com potencias diferentes colando SEMPRE o imã de menor potencia no lado da caixa que será soldado ao chassi. Devido a proximidade do chassi e do eixo traseiro, o campo magnético deste imã mais fraco aumentará aproximando ele do imã forte.

Utiliza-se um Gauss Meter para medir a carga do imã. Esta ferramenta é necessária para quem deseja começar a montar seus próprios motores.

Sempre ao desmontar um motor para realizar a revisão você deve utilizar o Gauss Meter para medir a carga de cada um dos imãs. Os profissionais constumam em anotar em uma planilha as informações, com ela você terá parâmetro nas revisões e diagnosticará facilmente se a carga esta fraca ,se continua a mesma e se os imãs estão equalizados.

Caso a carga esteja fraca, é necessário carregar os imãs utilizando um aparelho chamado Zapeador/Magnetizador. Para ser mais específico, carregar um ima significa recarrgar seu campo magnético por completo, através do uso de uma máquina popularmente conhecida como "zap". Isso se faz necessário porque o contínuo contato com o calor diminui gradativamente o campo magnético dele, por isto a planilha mencionada acima é tão importante. No autorama devemos registrar e armazenar tudo que possivel, só com parâmetros se alcança bom resultado.

Todo imã tem a temperatura de coerção ou Curie ( homenagem a Marie Curie...)
na qual se for atingida libera o alinhamento magnetico dos dominios de um imã; perdendo seu magnetismo ou grande parte dele. Como curiosidade essa temperatura de Curie dos imãs de neodimel é relativamente baixa ( aprox. 200 C) comparada com o ferrite- Imã usado no motor parma ( aprox, 380 C) por isso apesar do neodimel gerar campos mais fortes não são uma boa nos motores G12; G27 ... pois muitas vezes chegamos numa bateria de 3 minutos a temperaturas acima de 180 C.
Para os iniciantes vale lembrar que o material que constitui os imãs dos motores populares com Parma é Ferrite/Cerâmica. Os motores mais potentes como grupo 27 e grupo 7 utilizam imã de Cobalto.

quarta-feira, 2 de setembro de 2009

Instalando Relê em Acelerador Simples

Instalando Relê em Acelerador


As peças utilizadas para preparação de um acelerador você pode comprar diretamente em nossa loja virtual http://www.lojadeautorama.com.br/ são:
- Relê de 40 amperes
- Fios de silicone Rocket
- Estanho Rocket
- Seringa de Pasta
- Ferro de Solda Hakko ou Weller no minio 50 watts com ponta de fenda
- Termo plastico retratil
- Alicate de bico
- Alicate para descascar fio
- Abraçadeiras/Tire up


A função do Relê no acelerador é permitir a passagem máxima de corrente para o motor. Desta forma é eliminada qualquer possibilidade de mau contato no acelerador ou queda de tensão devido ao comprimento dos cabos utilizados. É notada uma melhora na velocidade final do carro.


O relê utilizado chama-se relê auxiliar de 4 terminais. Outra característica é a tensão e corrente máxima de trabalho dele 12 volts e 40 ampères. Faça as ligações de maneira cuidadosa.
Colocando Rele em aceleradores convencionais de resistencia em ceramica simples :


O mais importante para colocação do relê , é que seu acelerador disponha de um píno ou pastilha de máxima aceleração. A maioria dos aceleradores como Parma Turbo, TWP, Red Fox dispoê desta pastilha. A pastilha de máximo é o local aonde o gatilho encosta ao você acelerar até o final.


O primeiro passo é abrir a capa plastica retirando e guardando os respectivos parafusos e porcas.Já com o acelerador aberto, corte o pedaço de fio preto que liga a resistencia a pastilha de máximo. Com ferro quente remova o pedaço cortado que ficou soldado na pastilha.


Descasque a ponta do fio de silicone com cerca de 1 metro de comprimento e solde na pastilha de máximo. Este fio pode ser fio de motor mesmo e é o fio de ativação do relê.
Pronto, agora ao invés de apenas 3 fios o seu acelerador terá 4 fios... use abraçadeiras para fixa-lo no chassi do acelerador e feche o acelerador. A partir de agora a parte interna esta pronta e vamos para a externa.


Um palmo acima das garras é o local apropriado para fixação do relê. Nenhum fio deve ser cortado. Você deve primeiro dobrar os pinos do rele com base aonde os fios serão soldados para obter um melhor cabamento e evitar curtos.


Marque com uma caneta o local no qual os fios devem ser descascados. A maneira mais facil de descascar os fios é com estilete para evitar o risco de corta-los. Passe o estilete ao redor dos fios apenas para obter um pequeno pedaço descascado que deve receber pasta e depois estanho com ferro de solda. Depois de preparado os 4 fios, vamos preparar o rele.


Passe um pouco de pasta e com ferro de solda estanhe todos os 4 pinos. Agora fixe os fios conforme a ordem abaixo.


Pinagem do relê:
Próximo aos pinos do relê devem existir números de identificação dos mesmos.
Os pinos 30 e 87 correspondem aos contatos NA (normalmente abertos) do relê, onde serão ligados respectivamente os fios branco e preto. Os pinos 86 e 85 correspondem aos terminais da bobina do relê, onde serão ligados respectivamente o fio vermelho e o fio para acionamento o relê.


Procure dobrar os terminais do relê de tal forma que os fios do acelerador fiquem retos.
Pronto, agora vamos testar ?? Pegue uma bateria de 9 volts que vende em padaria (duracel ?), ligue no polo positivo dela a garrinha vermelha do acelerador e no negativo a preta. Acelere até o máximo e veja se o relê faz CLIK ! Se fizer parabéns , você já tem um aclerador com relê e basta agora você encapa-lo com o termoplastico e esquentar com isqueiro para dar o acabamento.

DICA: De nada adianta colocar um relê e não trocar ou duplicar a fiação do acelerador. È necessário que do relê para baixo (em direção a pista) o fio do acelerador seja capaz de transmitir maior quantidade de corrente elétrica, por isto ou você duplica os fios Branco e Preto soldando mais um pedaço do rele até a garra ou voce substitui o fio do acelerador por um kit de silicone da Rocket, pois ele é bem mais grosso e passa maior quantidade de corrente.

terça-feira, 1 de setembro de 2009

Pintura de Bolhas

Pintura da Bolha

Material necessário :

Bolha transparente
Fita crepe ou fita para mascarar bolha
Papel toalha
Tinta Spray para Policarbonato ou Aerógrafo
Tesoura
Gabarito para corte de pneu traseiro
Ferramenta para furar bolha TWP
Caneta Parma para marcação
Jig de madeira para acerto de bolha
Fita filamentosa ou Quadriculada

Onde comprar :

Tudo isto e muito mais a venda em nossa loja http://www.lojadeautorama.com.br/

Como fazer :

ATENÇÂO: A pressa é inimiga da perfeição !

Aqui vou mostrar como fazer uma pintura simples, em duas cores de uma bolha. O primeiro passo é lavar a bolha com detergente e água e seca-la BEM. O segundo passo é colocar a bolha cobrindo o chassis em que ela será usada, para fazer a marcação dos furos de bolha do chassis.
Esta idéia de colocar o carro sobre o Jig e a bolha transparente em cima ajudará muito principalmente os iniciantes a coloca-la de maneira correta no carrinho. Marque com a caneta Parma o local onde deve ser furada a bolha , faça esta marcação no lado de fora da bolha visto que iremos pinta-la por dentro.

O passo seguinte é a colocação das máscaras na bolha. Capriche nesta etapa pois será ela a maior responsável pelo resultado final. A mascara é a fita crepe ou especifica para isto que você deve recortar e colocar nos locais como os vidros no qual você não deseja pintar.

Como é uma pintura em duas cores, tem que haver o isolamento de cada área que será pintada. Depois de colocar as máscaras nos vidros, isole a área que vai ser pintada na cor mais clara.

Se você por exemplo deseja que a bolha seja preta, apenas com uma faixa vermelha, você deve fazer com fita crepe a faixa.Depois de isolada, limpe com um papel toalha a área que ficou à mostra e vai ser pintada com a tinta mais escura.

Sempre que for pintar uma bolha comece pela cor mais ESCURA. Se começar pela cor mais clara, vai ter grandes chances de criar manchas na pintura.


Agora a bolha esta pronta para ser pintada então ... mãos a obra.

Vamos aos avisos aos iniciantes .. a pintura com spray necessita de DISTANCIA de 20 a 30 cm . Aplique uma primeira de mão BEM DE LEVE. Lembre-se que nas bolhas de autorama devemos usar pouca tinta para evitar que o peso atrapalhe o rendimento do carro. Deixe secar por pelo menos uma hora. Torne a pintar a segunda de mão, também com pouca tinta.

Depois de terminar de pintar a parte escura da bolha, espere secar por mais uma ou duas horas. Tire após isto, o isolamento da parte que vai ser pintada na cor mais clara (neste caso retire a fita crepe da faixa que será pintada de vermelho). Depois de tirar o isolamento, limpe a área transparente com um papel toalha levemente úmido.

Agora pinte a parte restante sem fita da bolha seguindo a mesma recomendação de duas demãos e pouca tinta .

Espere a pintura toda secar por mais uma hora e em seguida aplique uma demão de tinta BRANCA bem de leve. Será o fundo branco que irá realçar as cores aplicadas anteriormente. Deixe secar por mais uma hora e retire a mascara/fita que você colocou nos vidros e faróis. Faça a furação da bolha com a ferramenta especifica nos lugares demarcados anteriormente, para depois retirar a película protetora externa. Esta película vem na maioria das bolhas e serve para proteger a parte externa da bolha de arranhões e respingos durante a pintura. Para remove-la basta usar a ponta da tesoura.

Depois de retirar a película é hora de colar os adesivos.

Depois da colocação dos adesivos, vem a parte de corte da bolha, para isso basta seguir as marcas d'agua que elas possuem. Corte os pára-lamas e a asa traseira, para colocação dela no porta-malas caso necessário.

Para finalizar com categoria, basta agora coloca-la novamente no carrinho já com os alfinetes e com o gabarito de corte do pneu traseiro encaixado na roda, efetuar o contorno com a caneta de marcação e por fim cortar no local marcado. Não se esqueça de colocar fita filamentosa ou quadriculada de 12 mm na lateral da bolha para evitar que o furo do alfinete se rompa. Uma dica bacana é usar também um rolo de esparadrapo. Cortar um pequeno pedaço e colocar apenas no furo... por baixo da fita filamentosa.

Pronto! Está finalizada a pintura da bolha. Esta pintura de duas cores é uma das mais simples. Muitas pessoas tem preguiça ou medo de pintar sua bolhas, mas não deveriam. A pintura da bolha é uma das partes mais legais do hobby.

Outra opção é pintar em degradê que é mais rápido, mas requer muita atenção para não acabar gerando uma pintura assimétrica. Para fazer isso não precisa isolar as áreas a serem pintadas, basta pintar com jet ou aerógrafo com as cores que quiser. Mas ainda assim pinte sempre das cores mais escuras para as mais claras.

Dica: Existe no mercado um tipo de Spray decorativo da Color Gim Fluorescente. Ele custa barato e um tubo permite a pintura de diversas bolhas. A tinta é leve e adere bem a carroceria... esta ai uma opção legal e barata ou invés de comprar as caríssimas tintas de policarbonato.
Dica 2 : Quando utilizar cores metálicas ao invés de usar o fundo branco use o fundo prata.

sexta-feira, 21 de agosto de 2009

Solda de Buchas de Eixo

Soldando buchas e rolamentos de eixo :

Ferramentas necessárias :- Kit com Jig em celeron para solda de buchas- Fluxo Acido- Micro Retifica Dremel ou Koford- Ferro de solda com ponta fenda de 60 watts- Estanho Rocket- Par de buchas ou rolamentos- Folha de lixa d!agua- Fluido de Isqueiro
Onde comprar : http://www.lojadeautorama.com.br/
Como fazer : O primeiro passo é a preparação do chassi, Para isto você deve utilizar uma micro retifica com uma ponta de pedra.
Chamamos no autorama de pillow block a parte traseira do chassi aonde ficam os orifícios para solda das buchas, é lá que iremos trabalhar.
Com a micro retifica você deve introduzir a ponta no orifício que será soldada a bucha a fim de tirar as rebarbas internas e aumentar um pouco o diâmetro do mesmo. Após abrir um pouco o orifício de ambos os lados, passe a retifica nas laterais do pillow block que receberão solda a fim delixa-las tornando mais fácil a aderência da solda.
Agora é hora de preparar o par de buchas ou rolamentos, passe a lixad’água ao redor dos mesmos afim de retirar qualquer tipo de sujeira ou rebarba. Enfim, agora as peças estão prontas para serem trabalhadas.Vamos colocar o chassi no Jig, acrescentar as buchas ou rolamentos no orifício (atenção as buchas devem entrar com folga), introduzir o eixo entre os pilares de referencia do Jig e por fim colocar nas duas extremidades dele o gabarito. Atenção, nesta etapa do processo você precisa ter em mente o tamanho da coroa que irá utilizar pois com basenela é que a bucha deve ser soldada.
Se você não tiver o gabarito em mãos não há problemas, você pode utilizar duas coroas velhas. Eu particularmente quando efetuo a preparação do chassi no Jig, gosto decolocar um pedaço de fita crepe para mante-lo encostado ao celeron na posição correta. Agora que seu chassi já esta no Jig com eixo, buchas e gabarito é hora deiniciar a solda.
O chassi deve ficar encostado no JIG e os gabaritosTAMBÉM, Se por acaso não estiverem é necessário abrir mais o orifício com a micro retifica. Volte e refaça.
Hora de começar a soldar ! Pincele o fluxo acido ao redor de ambas as buchas rolamentos tanto na parte interna como externa do pilow block.ATENÇÃO, não deixe o fluxo acido cair dentro das buchas ou rolamentos,sempre utilize pouco fluxo acido, Com o ferro de solda bem quente encosteno estanho e com a ponta de fenda passe ao redor da bucha ou rolamento externa e internamente ao pilow block.
Após terminar de um lado repita no outro. Após a solda retire o chassi do Jig, limpe o pilow block com fluido de isqueiro (isto evita ferrugem) e pronto, só lubrificar e colocaro eixo .
Truque : Para saber se ficou bem soldada a bucha ou rolamento, basta introduzir o eixo de um lado até encostar na bucha do outro lado (não introduza o mesmo) em seguida com a mão faça um movimento circular a fim de verificar se o eixo passa ao redor da bucha em toda sua extremidade, se a bucha estiver no lugar certo você não terá problemas, mas se estiver soldada errado você não vai conseguir passar a ponta do eixo ao redor dela)
Sobre buchas - Dê preferência as buchas de bronze sintetizado fabricadas com tornos CNC, estas buchas são de material poroso e retem a oleosidade mantendo a mesma lubrificado por mais tempo.
Sobre Rolamentos - Existe no mercado diversas marcas de rolamentos, cada qual com suas características e procedência. Para categorias rápidas como grupo 27, escolha rolamentos de alta rotação com mais de 8 esferas internas, normalmente a loja pode lhe informar a rotação máxima que o rolamento suporta. O preço varia conforme a rotação máxima suportada..Boa sorte !

Escolhendo Induzidos

Sobre Induzidos :

Para escolher um bom induzido, é preciso que se tenha em mãos um equipamento para medi-lo. Você por encomendar em nossa loja http://www.lojadeautorama.com.br/ o melhor equipamento do mercado com prazo de entrega estimado em 20 dias.

Abaixo dois parametros que devem ser levados em consideração na escolha de um induzido:

1 - Resistencia Ohmica do Induzido

O melhor induzido é sempre aquele com a menor resistência, por categoria.
Induzido Parma tem a sua resistência que é por volta de 0, 330/0,340 Ohm, Grp 12 por volta de 0,230 Ohm, Grp 27 por volta de 0,130 e assim por diante. Existem aparelhos
específicos - Ohmímetro - para você fazer as leituras, um deles é o “J/C Armature meter” que nada mais é do que um miliohmeter para medir a resistência de induzidos
A resistência de um induzido é medida diretamente no coletor de um ponto ao outro. Cada pólo do motor é medido no coletor!
E nem sempre todos os pólos têm a mesma medida, em funções de variação na hora que a máquina está bobinando o motor, já nos induzidos enrolados a mão as variações são menores, e por isso o grau elevado de desempenho, qualidade e resistencia !
.
2- Indutancia

A indutância ou reatância indutiva expressa a dificuldade de um induzido “encher” de corrente uma das três fases de espiras e também de “esvaziar” essa mesma fase; quando ocorre a inversão de polaridade determinada pelo coletor num motor de autorama.

Analogamente é como se você abrisse uma torneira de água com uma mangueira (leva um tempo até sair água na ponta da mangueira) e medisse o tempo para a água sair na ponta. Obviamente falando-se de corrente elétrica esse tempo é de frações de milionésimo de segundo; mas temos um agravante no autorama ,a cada giro do motor numa mesma fase de espiras temos o surgimento de uma pequena corrente contrária (como se tivéssemos na analogia da mangueira; para piorar as coisas, uma pequena quantidade de água que flui
da ponta para dentro da mangueira trombando com a água que você abriu na
torneira retardando mais ainda a saída de água na ponta...) que gera uma
força contra eletromotriz na espira que retarda a subida de giro do motor.

Portanto um melhor induzido, é aquele que tem iguais indutâncias e o mais
baixo possível. Para medi-lo usa-se o mesmo aparelho (miliohmeter) que
mede a resistência.

Curiosidade: para induzidos Parma / Gr Zero e até Gr 12, quanto mais
“arrumado” o enrolamento dos fios, maior é a indutância (por isso os
induzidos Pro Slot sempre tem indutância menor que os kofords); lembre-se
que menor resistência é melhor que menor indutância. O melhor mesmo são os
dois valores baixos. Ex: Resistencia abaixo de 220 mOhm e indutância abaixo
de 790 mHenry). Uma boa receita são induzidos Koford com enrolamento um
pouco “desarrumados”...

Pressão das Molas do Motor

Pressão da Molas :

Antes de mais nada, é necessário possuir uma ferramenta para medi-las.
Em nossa loja http://www.lojadeautorama.com.br/ você pode encontrar duas opções , uma mais simples e mais barata chamada Sonic Fidlestick e outra digital Spring Dyno Integy.
É MUITO importante que a pressão das molas de ambos os lados estejam exatamente iguais.

Algumas regrinhas básica :

Quanto menor a pressão das molas : Mais torque(até certo ponto) - Pista
travada(muitas freadas)
Quanto maior a pressão das molas : Mais giro(até certo ponto) - Pista de
Alta Velocidade(poucas freadas)
Quanto maior a voltagem e amperagem da pista : Mais pressão podemos
colocar na mola
Quanto menor a voltagem e amperagem da pista : Menor pressão podemos
colocar na mola

Pressão Sugerida :

S16D : de 50 a 90 gramas
G-12 : de 60 a 110 gramas
G-27 : de 80 a 130 gramas
G-7 : de 100 a 150 gramas

Relação Coroa x Pinhão

Acertando a Relação:

Quanto maior o pneu: Mais giro e menos torque
Quanto maior o pinhão: Mais giro e menos torque
Quanto maior a coroa: Menos giro e mais torque

Número de dentes da Coroa (dividido pelo) Número de dentes do Pinhão (dividido pelo) Diâmetro do Pneu em polegadas = Resultado

Quanto maior o valor do resultado mais torque, quanto menor o valor mais giro.

É comum utilizarmos como referencia apenas o valor da coroa e pinhão para calculo da relação mais adequada descartando assim o pneu da fórmula. Trabalhamos desta maneira pois a medida utilizada nos pneus segue geralmente um determinado regulamento e se mantem igual entre todos carros participantes de uma mesma corrida.

Exemplo de situação :

Caso 1: Carro com pouca final e muito torque. Deve-se usar uma relação mais longa. Escolha uma relação cujo valor ou resultado da divisão entre coroa e pinhão seja menor.

Caso 2: Carro com pouco torque e muita final. Deve-se usar uma relação mais curta. Escolha uma relação cujo valor seja ou resultado obtido pela diisão entre coroa e pinhão seja maior.

Regra geral: O efeito obtido pelo aumento ou redução do número de dentes do pinhão é maior que o efeito obtido pelo aumento ou redução do número de dentes da coroa. Muitas vezes é necessário alterar o valor da coroa e do pinhão ao mesmo tempo para se obter um melhor desempenho. Comece sempre mexendo apenas no tamanho da coroa aumente em 1 á 2 dentes .. ou diminua 1 á 2 dentes e veja o resultado antes de alterar o pinhão.

A relação a ser escolhida deve considerar a potência do motor, o comportamento do carrinho na pista e a facilidade para pilotar.
Os valores constantes nesta tabela são relativos e não absolutos, porém permitem que seja conferido o que está acontecendo e o que pode ser melhorado na relação utilizada no carrinho.